Continua após a publicidade..

Agentes alfandegários dos Estados Unidos vêm coletando informações de telefones de cidadãos americanos não marcados há 15 anos.

É amplamente conhecido por aqueles que viajam para o exterior que a Alfândega e Proteção de Fronteiras dos EUA têm o direito de acessar telefones e outros dispositivos eletrônicos sem a necessidade de um mandado. Em um relatório surpreendente do The Washington Post, os líderes da CBP admitiram aos legisladores que os agentes da CBP copiaram informações pessoais de alguns viajantes e as armazenaram em um grande banco de dados.

De acordo com o relatório, desde 2007, os dados pessoais dos usuários têm sido acessíveis por mais de 2700 agentes da CBP, sem a necessidade de um mandado de acesso à base de dados e sem a obrigação de justificar o motivo pelo qual acessam certas informações. Autoridades do governo adicionam aproximadamente 10.000 registros por ano à base de dados, conforme divulgado pelo The Washington Post.

Essas informações foram divulgadas em uma carta escrita pelo senador Ron Wyden de Oregon ao comissário da CBP Chris Magnus. A ampliação rápida do banco de dados e a autorização sem restrições dada aos agentes da CBP sem a necessidade de mandado despertaram preocupações entre os membros do Congresso, conforme relatado pelo The Washington Post, já que esses aspectos não eram previamente conhecidos sobre o banco de dados.

Continua após a publicidade..

Em sua correspondência à CBP, Wyden mencionou que frequentemente os viajantes não são orientados sobre seus direitos antes de terem seus dispositivos eletrônicos inspecionados em aeroportos e pontos de fronteira.

Wyden afirmou que os cidadãos dos EUA não devem ser ludibriados para desbloquear seus dispositivos eletrônicos, e criticou a prática da CBP de armazenar informações em uma base de dados central por um longo período de tempo, permitindo que milhares de funcionários do DHS vasculhem os dados pessoais dos americanos a seu bel prazer.

  • O Serviço de Impostos Internos (IRS) divulgou sem querer dados sigilosos de alguns contribuintes.
  • O Facebook levou duas semanas para informar aos funcionários que suas informações de pagamento foram roubadas.
  • Imagens de turistas que entraram e saíram dos Estados Unidos foram furtadas em um incidente de segurança de informações.
  • Um jovem invadiu o sistema da Uber e compartilhou a informação na plataforma da empresa, Slack. Os funcionários acreditavam se tratar de uma brincadeira.
  • Uma lembrança da investigação de 6 de janeiro: Apagar um texto não garante que tenha sido eliminado permanentemente.
Relacionado:   Anunciado o lançamento de Slay The Spire II no Acesso Antecipado para o próximo ano.

Segundo um empregado da CBP que conversou com o The Post, afirmou que a orientação da agência concede aos seus agentes a autoridade para examinar o dispositivo de qualquer viajante em uma “verificação básica”. Essa verificação pode evoluir para uma “verificação detalhada” se houver “suspeita razoável” de que o viajante está violando a lei ou representando uma ameaça à segurança nacional. Aaron Bowker, responsável pelas operações de campo da CBP, declarou ao The Post que a agência somente copia os dados das pessoas quando é “absolutamente necessário”.

Continua após a publicidade..

Em 2020, a CBP foi alvo de investigação após o Senador Wyden solicitar uma análise sobre a utilização de informações de localização de telefones celulares pelo órgão governamental. Foi revelado que a CBP investiu mais de meio milhão de dólares para obter acesso a dados de localização provenientes de aplicativos utilizados por uma grande quantidade de americanos.

Tópicos abordados incluem segurança digital e administração pública.