Continua após a publicidade..

Indivíduos fraudadores se fazem passar por Tesla, Amazon e até mesmo Facebook nas redes sociais.

No começo deste mês, alguns utilizadores que navegavam pelo Facebook podem ter deparado com uma mensagem surpreendente, que parecia ser do próprio CEO Mark Zuckerberg.

Recentemente, o Facebook mudou seu nome para Meta e anunciou a oportunidade para os usuários investirem em uma nova criptomoeda chamada Meta, com uma foto de Zuckerberg em frente a um fundo de polígonos roxos.

Outra propaganda, divulgada aproximadamente na mesma época e também impulsionada no Facebook, estava associada a uma página intitulada “Metaverso” e destacava a oportunidade de participar de uma pré-venda do próximo “Token Meta”, anunciando que “o futuro digital emocionante está aqui.” Os anúncios apresentavam o novo logotipo da Meta, que era um símbolo de infinito.

Continua após a publicidade..

No entanto, o Meta não disponibiliza essa criptomoeda. Os anúncios, que estavam anteriormente acessíveis na biblioteca de anúncios públicos do Facebook, eram fraudulentos e conseguiram passar pela moderação de conteúdo do Facebook, mesmo utilizando a imagem de Zuckerberg e o novo logotipo da empresa.

As diretrizes do Facebook para anunciantes estabelecem restrições rígidas sobre a forma como os anúncios promovem criptomoedas. No entanto, o Markup encontrou diversas páginas que recentemente veicularam anúncios de “tokens” fictícios, utilizando logotipos de grandes empresas de tecnologia e até mesmo imagens de figuras proeminentes do setor, como Mark Zuckerberg, CEO da Amazon Jeff Bezos e CEO da Tesla Elon Musk.

Fraudes em anúncios do Facebook não são algo novo e fraudes envolvendo criptomoedas têm afetado diversas plataformas, indo além do Facebook. No entanto, esses anúncios são especialmente preocupantes: uma rede de golpistas se passando por grandes empresas de tecnologia, atuando na principal rede social do setor, com o objetivo de enganar os usuários.

Continua após a publicidade..

Table of Contents

“Tokens Meta” e uma outra companhia de tecnologia chamada “moedas”.

Os anúncios descobertos pela Markup, aproximadamente 20 no total, estão em páginas com títulos como “Metaverse”, “Web 3.0”, “Amazon coin” ou “MSFT Web 3.0 Metaverse”. Alguns anúncios permaneceram ativos por vários dias antes de serem removidos, inclusive aqueles que exibiam de forma proeminente imagens como o logotipo do símbolo infinito da Meta ou de Zuckerberg.

Relacionado:   Formas eficazes de organizar sua caixa de entrada do Gmail para aumentar a produtividade.

Uma das propagandas vinculadas a um site que afirmou ter ligação com a Meta mostrou não apenas imagens de Zuckerberg, mas também do diretor de operações Sheryl Sandberg, assim como de outros executivos de alto escalão na empresa.

Continua após a publicidade..

O site afirmou que a moeda fictícia teria um grande lançamento em 22 de fevereiro e que interessados poderiam participar de uma venda antecipada, adquirindo-a com bitcoin, criptomoedas ou Ethereum. O valor mínimo de investimento seria de $200.

O Markup descobriu um anúncio que anunciava o lançamento do META Token ao ser exibido diretamente na conta pessoal de um repórter. Outros anúncios foram identificados por meio da biblioteca de anúncios do Facebook ou com base em dados do Citizen Browser, um projeto do Markup que coleta informações de um grupo pago de usuários do Facebook nos Estados Unidos.

Outros anúncios utilizaram marcas comerciais de empresas de tecnologia, como a Apple, para promover investimentos em “tokens”, além de imitar a Meta. Um exemplo foi a oferta de investimento em um falso “token iMetaverse” com o logotipo da Apple.

Continua após a publicidade..

Os painéis do projeto Citizen Browser da Markup exibiram diversas páginas sobre “Tokens de Amazon” inexistentes, que continham o logotipo da grande empresa de comércio eletrônico ou imagens de Bezos. Dois anúncios, conforme informações do Citizen Browser, foram direcionados especificamente para usuários interessados em bitcoin.

“Tenha a oportunidade de estar presente no lançamento do Amazon Token e ser um dos primeiros a adquiri-lo”, foi o que a página associada mencionou em um anúncio. “Comece agora!”

Outros anúncios exibidos em nossos painéis mostraram o rosto de Musk e propuseram investir em um “Token de Tesla”. Um anúncio parecido, também visualizado por participantes no projeto Citizen Browser, ofereceu um token para WLMRT – uma criptomoeda falsa do Walmart.

Relacionado:   NVIDIA alcança a liderança ao superar os concorrentes na área de design de circuitos integrados.

O Facebook utiliza inteligência artificial e moderadores humanos para identificar anúncios, porém a moderação feita por humanos é considerada insuficiente. Não está claro quantos anúncios fraudulentos são identificados pela inteligência artificial antes de serem exibidos aos usuários, de acordo com Paul Bischoff, editor da Comparitech, um site especializado em segurança cibernética.

“Não temos uma noção clara da extensão do problema,” declarou, “mas é evidente que ainda há muitos desafios a serem superados.”

Os anúncios analisados pelo The Markup provavelmente não atenderam aos critérios estabelecidos pela empresa para publicidade. Por exemplo, as diretrizes da Meta possuem limitações rigorosas em relação aos anúncios de criptomoedas. Os possíveis anunciantes precisam cumprir requisitos específicos de qualificação e submeter um formulário ao Facebook para ser aprovado antes de iniciar a veiculação dos anúncios.

Os anunciantes na plataforma devem ter precaução ao se relacionarem com o Facebook. Os anúncios podem fazer menção ao “Facebook”, desde que não seja o destaque principal. É proibido utilizar o logotipo da empresa e os anúncios não devem sugerir um endosso. A política da empresa não aborda explicitamente o uso de “Meta”.

Algumas das páginas que exibiam os anúncios foram retiradas antes da chegada do The Markup ao Meta para comentar, e a empresa retirou outras após o pedido de comentário do The Markup.

“Os anúncios que foram removidos infringiram nossas políticas contra comportamento enganoso e fraudulento”, afirmou o porta-voz da Meta, Mark Ranneberger, em comunicado por e-mail. Ele encorajou as pessoas a denunciarem esse tipo de anúncio clicando nos três pontos no canto superior direito e selecionando ‘Report Ad’ para que os sistemas possam ser aprimorados.

Outras pessoas que copiam.

Outros casos de imitadores no Facebook foram relatados, como o uso de falsos Mark Zuckerbergs para enganar usuários com uma suposta “loteria do Facebook”, exigindo pagamentos antes de liberar o dinheiro. O The New York Times encontrou diversas contas no Facebook e Instagram que imitavam Zuckerberg e Sandberg.

Figuras públicas em diferentes nações moveram ações legais contra o Facebook quando suas fotos foram usadas em golpes de moedas virtuais, e em 2019 um tribunal holandês determinou que a empresa deveria agir de forma mais proativa para interromper anúncios enganosos que usam imagens de famosos.

Relacionado:   Estamos aguardando a chegada dos primeiros contos do Shire Trailer ainda neste mês.

A criptomoeda tornou-se um recurso bastante utilizado por criminosos virtuais, mesmo que algumas prisões de destaque indiquem que a complexidade de rastrear transações tenha sido exagerada.

De acordo com informações divulgadas no ano passado pela Comissão Federal do Comércio, houve um aumento significativo no número de relatórios de fraudes envolvendo criptomoedas, com quase 7 mil pessoas reportando perdas que ultrapassaram US$ 80 milhões entre outubro de 2020 e maio de 2021. Isso representou um aumento de 12 vezes na frequência dos relatos e um aumento de 1.000% no valor do dinheiro perdido, conforme indicado pela agência.

Na internet, copiar é uma tática vantajosa para os golpes.

O Twitter enfrentou desafios por um longo período com pessoas fraudulentas na sua plataforma tentando se passar por Elon Musk.

Alguns hackers experientes já invadiram contas verificadas de usuários do Twitter no passado, alteraram as fotos de perfil para a imagem de Musk e afirmaram oferecer grandes recompensas em criptomoeda em troca de um investimento pequeno. De acordo com um relatório recente do FTC sobre golpes envolvendo criptomoedas, foram relatados casos de impostores se passando por Musk que conseguiram arrecadar mais de US$ 2 milhões em apenas seis meses.

Segundo o relatório da agência, os jovens adultos entre 20 e 30 anos relataram perder uma quantia significativa em golpes de investimento, principalmente em criptomoedas, em comparação com outras fraudes. Por outro lado, os adultos com 50 anos ou mais eram menos propensos a serem vítimas desses tipos de fraudes.

O anúncio do Facebook direcionado a homens americanos de 30 a 64 anos ofereceu a oportunidade de ser um dos primeiros compradores da nova moeda “META Token” e ter acesso ao seu lançamento.

Este artigo foi inicialmente divulgado no The Markup e foi republicado com permissão da licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives.

Assunto: Moeda digital