Continua após a publicidade..

Trump poderia receber permissão para retornar ao Facebook no início do ano que vem.

Seu primo conservador e outros membros da família Q-pilled podem começar a preencher sua linha do tempo do Facebook com publicações sobre Trump mais uma vez.

Na quinta-feira, Nick Clegg, líder dos Assuntos Globais da Meta, indicou que a rede social poderá permitir que Donald Trump retorne à plataforma em breve. A empresa tomará uma decisão a respeito disso até janeiro de 2023.

O antigo líder foi banido da rede social no ano passado após os distúrbios a favor de Trump no Capitólio em 6 de janeiro.

Continua após a publicidade..

As declarações de Clegg foram feitas durante um evento em Washington, D.C., organizado pela startup de notícias digital Semafor. Essas observações representam a primeira vez que o Facebook mencionou essa ideia, após a Oversight Board do Facebook pressionar a plataforma a estabelecer um cronograma para a suspensão.

O possível retorno de Trump ao Facebook tem sido considerado há algum tempo. Há dois anos, o Facebook adiou essa possibilidade para permitir à empresa tempo para decidir.

Em maio de 2021, o Oversight Board, responsável por fazer recomendações sobre as decisões de moderação de conteúdo no Facebook, analisou o caso envolvendo a suspensão da conta de Trump e confirmou essa decisão. O conselho sugeriu que o Facebook deveria anunciar uma proibição total da conta de Trump ou estabelecer um prazo para a suspensão ser revogada. Desde 7 de janeiro de 2021, a conta do Facebook de Trump tem sido visível aos usuários, mas nem Trump nem qualquer pessoa de sua equipe puderam acessá-la para publicar novos conteúdos.

Continua após a publicidade..

Em junho de 2021, o Facebook comunicou que a suspensão de Trump seria de dois anos. Na ocasião, a rede social afirmou que a suspensão só seria revogada após uma avaliação do impacto na segurança pública e que a restrição ao acesso de Trump permaneceria até que esse risco fosse eliminado.

Relacionado:   A cor primária, disponível sem custo adicional para os modelos 3 e Y da Tesla, acaba de ser alterada.

Clegg enfatizou essas preocupações durante o evento em D.C., afirmando que o Facebook irá consultar especialistas, avaliar os possíveis impactos negativos na vida real e tomar medidas adequadas.

Permitir que Trump retorne à rede social em janeiro do próximo ano impediria que ele fizesse postagens durante as eleições intercalares, mas o colocaria de volta a tempo de uma possível campanha presidencial em 2024.

  • O aplicativo Android da Truth Social não foi aprovado pelo Google devido ao conteúdo violento presente nele.
  • Andrew Tate, um influenciador controverso, foi removido do Facebook e do Instagram.
  • Elon Musk expressou que ele desfaria a decisão do Twitter de banir Donald Trump.
  • YouTube impede Trump de postar conteúdo por mais sete dias antes da posse de Biden.
Continua após a publicidade..

Após os acontecimentos de 6 de janeiro, várias outras empresas de redes sociais também excluíram Trump de suas plataformas. O Twitter baniu permanentemente Trump após a tentativa de insurreição. Elon Musk sugeriu que reconsideraria a proibição de Trump se ele comprasse o Twitter. O YouTube agiu de forma semelhante ao Facebook e suspendeu Trump até que o “risco de violência diminuísse”. Até agora, Trump não conseguiu acessar sua conta no YouTube.

As atitudes dessas plataformas levaram o ex-presidente a estabelecer sua própria rede social conservadora conhecida como Truth Social, na qual ele possui atualmente 4 milhões de seguidores. Em contraste, Trump possui mais de 34 milhões de seguidores em sua página no Facebook.

Nos últimos meses, Trump tem aumentado a divulgação de informações sobre o Truth Social, que está associado ao grupo QAnon, uma organização de extrema-direita. Em 2020, o Facebook proibiu esse tipo de conteúdo.

Continua após a publicidade..

O Facebook manterá a suspensão de Trump? Sua atividade online recente influenciará essa decisão? Ou o Facebook acha que não pode prolongar mais essa situação? Segundo Clegg, teremos uma resposta em breve.

Relacionado:   Crianças pobres e poluição do ar: um cenário preocupante no Brasil

Assuntos abordados: Rede social Facebook e ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.