Continua após a publicidade..

Um eclipse solar pode causar danos aos olhos. Veja aqui quando usar os óculos de proteção.

Milhões de indivíduos em breve terão a chance incomum de observar o sol diretamente.

Aqueles que estiverem dentro da faixa de sombra causada pela lua, conhecida como “caminho da totalidade”, terão até 4,5 minutos para observar o eclipse solar total no dia 8 de abril com os próprios olhos.

Se esta afirmação está causando desconforto a você, saiba que não está sozinho. Os pais têm alertado seus filhos sobre os perigos de olhar diretamente para o sol há muito tempo, mesmo antes da NASA existir. De acordo com o Dr. Ralph Chou, um professor aposentado de optometria da Universidade de Waterloo em Ontário, a aversão natural dos seres humanos ao olhar para a luz brilhante está profundamente enraizada em nós, levando-nos a piscar e desviar o olhar quando confrontados com tal situação.

Continua após a publicidade..

“Segundo Chou Mashable, o corpo humano possui mecanismos para prevenir lesões, como o reflexo de aversão.”

Geralmente, esses alertas são precisos, exceto no caso dos eclipses solares totais. Durante esse fenômeno astronômico, a lua se posiciona entre a Terra e o sol no espaço, resultando no completo obscurecimento do sol e escurecimento do céu.

Quando as pessoas olham na direção do sol durante um eclipse solar, em vez de ver o disco brilhante de luz, elas conseguem visualizar a corona solar, que é um brilho difuso ao redor do sol. Essa corona é a camada mais externa da atmosfera solar, que geralmente é ofuscada pela intensa luminosidade da superfície solar.

Continua após a publicidade..

No entanto, pode não ser claro para uma pessoa comum saber o momento apropriado para retirar os óculos de proteção solar durante o evento. É fundamental seguir as orientações de especialistas, como Chou, responsável pelo desenvolvimento do padrão internacional de visualização do eclipse solar, chamado ISO 12312-2, e manter os óculos com filtros especiais até o momento adequado.

Quando podemos retirar os óculos de eclipse com segurança

O momento crucial é chamado de contas de Baily, ocorrendo quando a luz solar passa pelos vales na extremidade da lua, criando o efeito semelhante a contas de um colar. É seguro retirar os óculos de proteção quando a última dessas contas está desaparecendo.

Relacionado:   O iOS 16 alterou a tela de bloqueio do meu iPhone, que antes era perfeita.
Continua após a publicidade..

“Mesmo olhando diretamente para o eclipse com essas lentes, não causará danos aos seus olhos”, explicou Chou, que já foi astrônomo antes de se tornar optometrista. “O brilho é intenso por um breve momento, e em seguida desaparece, dando lugar ao eclipse total.”

Moon blocking out the last bit of sunlight before an eclipse
Imagem: GernotBra/UnPlash

O tempo em que o sol fica totalmente coberto varia conforme a localização do observador. É recomendado recolocar os óculos ou o visor solar assim que o primeiro raio de luz branca aparecer.

“Chou descreveu a situação como única, já que de repente tudo ao redor ficou mais luminoso, permitindo tempo para encontrar os óculos que estavam bem na frente dos olhos.”

Continua após a publicidade..

Durante um eclipse parcial, é fundamental que as pessoas estejam cientes se estão na zona de totalidade, pois mesmo um pequeno crescente de sol pode causar danos permanentes aos olhos se observado sem proteção adequada. É crucial nunca olhar diretamente para o sol durante um eclipse parcial sem óculos de proteção.

Woman viewing a solar eclipse through protective glasses
Imagem: stephmcblack/Pexels

O que ocorre com os olhos ao observar a luz solar.

A ameaça é a possibilidade de desenvolver retinopatia solar, uma forma de cegueira resultante de lesões na retina localizada na parte posterior do olho. A função da retina é transformar a luz em impulsos elétricos que são enviados ao cérebro através do nervo óptico.

Sem o uso de óculos de proteção adequados, os olhos começam a absorver a luz solar. Quando os receptores de luz ficam saturados, o excesso penetra na retina e é absorvido pelo pigmento escuro dos olhos. Nesse momento, as células oculares começam a ser danificadas devido a ataques químicos, conforme explicado por Chou.

O principal risco associado a essa situação é que, ao absorver a radiação em excesso, o pigmento a transforma em calor, elevando a temperatura dentro das células a tal ponto que o tecido começa a ser danificado. Esse dano resulta em uma cicatriz permanente que não pode ser revertida.

Relacionado:   A descoberta do iFixIt Steam Deck mostra uma maneira fácil de resolver o problema da deriva.
Spectator holding solar eclipse glasses
Imagem: JonPauling/ShutterStock

A gravidade do dano está relacionada à quantidade de exposição direta à luz solar que uma pessoa recebe. Não é apenas a exposição prolongada ao sol que pode resultar em danos irreparáveis; múltiplas exposições também podem ter o mesmo efeito.

Apesar de receberem alertas sobre esses riscos, algumas pessoas pensam que estão bem enquanto não sentem dor nos olhos. Devido à ausência de receptores de dor nas retinas, as pessoas não perceberiam imediatamente o dano ocorrendo. Indivíduos com queimaduras na retina frequentemente não percebem problemas na visão até várias horas depois.

Por qual motivo não é aconselhável utilizar óculos escuros para observar o sol?

Os médicos alertam que os óculos de sol comuns não oferecem proteção adequada para quem pratica o hábito de olhar diretamente para o sol. Mesmo sendo utilizados diariamente, os óculos não são capazes de diminuir a intensidade do sol, que ainda seria cerca de 10.000 vezes mais brilhante. Além disso, os óculos comuns não conseguem bloquear a luz infravermelha prejudicial.

Os óculos de eclipse que estão em conformidade com os padrões internacionais de segurança são tão escuros que as pessoas não conseguem ver o que está à frente delas. Se alguém consegue enxergar algo, isso é um sinal de alerta de que os óculos não são adequados, afirmou Kelly Korreck, que é gerente do programa da NASA para o eclipse.

  • Quando o eclipse solar ocorrer, será possível avistar esses brilhantes planetas.
  • Qual é a questão com os eclipses solares? Eles proporcionam uma experiência completa para o corpo.
  • Os especialistas afirmam que os eclipses solares costumavam ser eventos muito assustadores no passado.
  • Essa famosa imagem de Trump pode proteger seus olhos durante este eclipse solar.
  • Imagem sem igual do sol obtida por sonda espacial estelar.
Relacionado:   Os cientistas encontraram evidências concretas de que um super-vulcão não irá exterminar a humanidade.

“É importante ter atenção ao caminhar com esses dispositivos”, alertou Mashable. Garanta que você esteja no local desejado ao usá-los.

Os especialistas também chamam a atenção para um equívoco frequente dos usuários de óculos de eclipse: muitas pessoas os colocam e, em seguida, tentam tirar uma foto com seus celulares ou olhar através de uma câmera ou telescópio sem filtro. A intensa luz solar que passa por esses dispositivos pode danificar os filtros dos óculos de eclipse, o que por consequência pode prejudicar os olhos de alguém.

Michael Zeiler, um especialista em mapeamento de eclipses, alertou que até mesmo observadores experientes podem se ferir se não tomarem cuidado.

Ele contou que um conhecido viu rapidamente um eclipse parcial bem fino usando binóculos. Isso afetou temporariamente sua visão, mas após alguns dias, ela voltou ao normal.

People watching the solar eclipse
Imagem: JonPauling/DepositPhotos

Os padrões globais para óculos de eclipse solar, criados em 2015 pela Organização Internacional de Normalização Suíça, determinam os níveis de escuridão das sombras dentro de um intervalo específico. Essa gama de valores aceitáveis tem origem em pesquisas realizadas na década de 1950, antes do estabelecimento da bioética contemporânea.

Enquanto os Estados Unidos criavam bombas atômicas, os militares conduziram testes com soldados no deserto de Nevada para avaliar os efeitos da cegueira temporária causada pela explosão. Os soldados foram orientados a observar a explosão de uma bomba nuclear a cerca de 10 milhas de distância, o que resultou em danos permanentes nos olhos de alguns participantes.

Em aproximadamente metade das situações em que a retina é danificada por queimaduras, as células se regeneram e a visão é recuperada. Nos demais casos, o prejuízo permanece irreversível.

“É incomum encontrar alguém que tenha danificado seus olhos de forma tão grave a ponto de ser considerado legalmente cego”, afirmou Chou. “No entanto, existem casos assim.”

Esta narrativa foi primeiramente divulgada em 7 de fevereiro de 2024 e posteriormente revisada.