Continua após a publicidade..

A tecnologia de perfuração da Meta combina realidade mista, realidade virtual, design e moda em seu impressionante evento de arrastar.

A moda deu um salto para o ambiente digital com destaque: recentemente, uma semana inteira de moda foi realizada no metaverso; além disso, marcas como Gucci desenvolveram acessórios que só podem ser usados em um ambiente virtual. Essa tendência de integração entre moda e tecnologia está se tornando mais evidente, com a relação entre o mundo físico e o digital se tornando cada vez mais interligada.

Assim, não é surpreendente que o mais recente evento de moda digital realizado em Londres na semana passada tenha sido organizado pela Meta, uma das principais influências no metaverso e que atrai muita atenção. Apesar de ter sido baseado na interseção entre moda e tecnologia, o evento concentrou-se principalmente em celebrar a comunidade criativa LGBTQ.

Realizado no espaço de exposição e desempenho 180 O Strand, o evento Queens of the Metaverse apresentou moda digital em um espetáculo de arrastar, resultando em uma exposição imersiva que mescla design físico e artificial. O conceito é inovador e grandioso: a combinação do arrasto, moda, arte, performance e metaverso em um único espaço, sem que nenhum desses elementos se sobreponha ao outro. Três peças únicas foram criadas por três designers em ascensão utilizando realidade virtual, realidade aumentada e salas de trabalho da Meta Horizon, e depois transformadas em roupas físicas usadas por três artistas drag renomados.

Continua após a publicidade..

Um meta comissionado está em busca de Blu Hydrangea, vencedor do Drag Race de RuPaul: Reino Unido vs. The World, Tia Kofi, um artista de música pop e participante do RuPaul’s Drag Race UK Season 2, e Adam All, um renomado rei da arte drag. Eles foram associados individualmente com Nwora Emenike, estilista queer e não-binário, Sal Mohammed, um trabalhador NHS fluido de gênero e drag queen, e Christie Lau, um graduado não-binário da Central Saint Martins com um portfólio focado em moda digital.

Os três designers conversaram exclusivamente com o Mashable sobre o desenvolvimento do projeto, sua paixão pelo design inclusivo e como a tecnologia pode ser mais acessível no design ao envolver as empresas com a comunidade LGTBQ em projetos inovadores como este. Uma característica marcante do processo de design foi a liberdade criativa ilimitada, semelhante ao arrasto, o que motivou Mohammed, Lau e Emenike a embarcar nessa colaboração.

Relacionado:   Threads necessita que o usuário gere um texto alternativo com urgência.

Em um mundo virtual, é possível se tornar qualquer coisa, afirma Lau. Não há limitações ao corpo físico; é um momento propício para explorar a criatividade.

Continua após a publicidade..

Lau foi encarregado de personalizar um “Supersuit Superverse” para Adam All. Inspirado pela expressão “incredibly animated” de Adam no palco, Lau utilizou elementos de desenhos clássicos como Looney Tunes, padrões art-deco e uma combinação de cores para criar a roupa encomendada.

An image of Adam All on stage, with a phone screen displaying the digital fashion outfit in front of it.
Imagem: MaxWdhs/ShutterStock

Lau, que tem grande interesse em aplicar inteligência artificial em seu trabalho, afirmou que o uso dessa tecnologia na moda digital é extremamente libertador. Ele destacou que as ferramentas de realidade virtual e aumentada estão abrindo novas possibilidades para os designers.

Lau explica que é possível criar projetos sem depender da física do mundo real, construindo um ambiente próprio onde o projeto ganha vida, o que representa um grande poder.

Continua após a publicidade..

Emenike, que trabalhou com Blu Hydrangea, recebeu o resumo de “Fantasy Dreamscape” e, por conseguinte, tinha uma infinidade de opções a ponderar. O designer explorou imagens de deuses, lagos e mercúrio líquido. A música “Water” de Kehlani, do álbum Blue Water Road de 2020, também inspirou essas visões etéreas, que foram concretizadas com a ajuda dos filtros de AR solicitados pelos designers da Meta.

Acima de tudo, Emenike estava determinado a assegurar que o resultado final refletisse a essência da arte de Hydrangea, dizendo: “Eu abordei isso com a consciência de que ela é uma rainha capaz de se adaptar completamente a qualquer contexto.”

Blu Hydrangea on stage.
Imagem:
chsyys/StockVault

A ideia central que está por trás da relação entre identidade, criação e tecnologia, de acordo com Emenike, é fundamental para os avanços nesses campos.

Continua após a publicidade..

“A inovação é o vínculo entre eles. Drag desafia os limites e altera as perspectivas sobre o que se considera viável em termos de identidade humana”, afirma. “Com ambos, é possível reinventar a identidade e dar vida a uma fantasia.”

Mohammed, que não trabalha como designer, compartilhou a mesma empolgação em relação à ambição do programa e à intersecção entre diferentes áreas.

Eles afirmam que o tecido é muito divertido e a tecnologia pode tornar experiências agradáveis mais fáceis.

Este pensamento inspirou a concepção de Tia Kofi como a “Deusa Intergaláctica”. Maomé decidiu criar um quadro humorístico com imagens do telescópio Webb da NASA, constelações e cenas do espaço. Eles refletiram sobre a possibilidade de não ter limites e imaginaram quais roupas gostariam de usar e o que desejariam que seus trajes fossem capazes de fazer, concluindo que o céu é o limite.

Para reproduzir um evento semelhante a uma “explosão de estrela”, Maomé representou sua ideia em um desenho no papel e, depois, a tornou realidade utilizando filtros de realidade virtual, da mesma forma que Lau e Emenike fizeram.

Tia Kofi in Mohammed
Imagem: karvanth/GettyImages

Cada uma das representações finais, exibidas em telas digitais e também fisicamente pelos próprios artistas durante o evento oficial Meta-hosted, foi organizada por um grupo de criativos. Mohammed destaca a presença de profissionais talentosos nos bastidores, incluindo designers de perucas, designers digitais e artistas de maquiagem. Este processo não difere muito da organização de um desfile de moda convencional, mas com a influência do digital, surgem novos papéis e habilidades são requeridas.

  • O que é o metaverso? Uma forma simples de explicar.
  • Zuckerberg reconsidera sua posição após críticas ao Horizon Worlds, afirmando que a Meta é capaz de alcançar um potencial ainda maior.
  • Novas regras revolucionárias e um elenco de vencedores estão proporcionando um início emocionante para a 7ª temporada de ‘RuPaul’s Drag Race All Stars’.
  • Um vídeo divulgado do Meta Quest Pro sugere o que está por vir para os dispositivos de realidade virtual.
  • No metaverso, a Fashion Week é acessível a todos (desde que o seu navegador funcione corretamente).

O espetáculo revelou o metaverso de uma nova perspectiva, sobretudo nos bastidores, onde esses ambientes digitais sempre estiveram associados ao universo da tecnologia.

De acordo com Mashable, essa experiência parece ser uma combinação entre tecnologia convencional e tecnologia inovadora. Uma vez que você se envolve, as oportunidades são ilimitadas, facilitando a entrada para se tornar um artista.

Emenike concorda que a moda digital está se tornando mais acessível, porém destaca a importância de considerar a ética, o meio ambiente, a sustentabilidade e a representatividade das pessoas ao navegar por esses espaços online. Lau reitera a importância da inclusividade no metaverso, ressaltando a necessidade de projetar essas identidades.

Conforme a Meta explora cada vez mais a estética e a moda, ao mergulhar os pés no universo virtual, a empresa demonstra estar atenta à importância de criar para uma variedade de identidades.

Ineke Paulsen, responsável pelo marketing da região EMEA, afirmou em um comunicado sobre o evento que as comunidades criativas desempenham um papel essencial no crescimento do metaverso, assegurando que estejamos criando um ambiente adequado para todos.

A empresa está demonstrando seu interesse em ser acolhedora e inclusiva, especialmente à medida que o metaverso se expande e ganha importância. Isso contrasta com a postura passada da Meta, que costumava ser criticada por não proteger adequadamente pessoas LGBT que utilizam suas plataformas, como o Facebook e o Instagram.

A GLAAD, uma organização de monitoramento de mídia, divulgou que plataformas como essas citadas têm a capacidade de proteger melhor os usuários LGBTQ através da implementação de políticas mais rígidas, da transparência e do compromisso em proteger esses grupos online. O Instagram também foi criticado por ter ocultado conteúdo de grupos marginalizados ao longo do tempo.

Queens of the Metaverse foi, sem dúvida, uma incrível celebração de talentos LGBTQ e do potencial futuro da moda. Meta deve aproveitar essa demonstração de orgulho e criatividade como um ponto de partida para um compromisso ainda maior com a real inclusão e diversidade. O evento de realidade mista foi um avanço significativo, mas há muitos passos a serem dados ainda.

Assuntos relacionados a pessoas LGBTQ e objetivos a serem alcançados.