Continua após a publicidade..

O instrutor é um androide conhecido como Sophia, cujo propósito é ensinar sobre o que significa ser humano.

Era uma aula virtual comum durante a pandemia da Covid-19.

O texto descreve como os emojis, desde corações nos olhos até aplausos, tornaram a chamada de vídeo mais animada enquanto os alunos, incluindo o autor, assistiam a uma apresentação narrada em um slideshow. A lição abordada foi sobre biologia computacional, que utiliza a matemática para estudar áreas como genética e ecologia. No entanto, houve uma notável distinção nesta aula remota.

O professor era um androide semelhante a um humano, chamado Sophia, com inteligência artificial.

Continua após a publicidade..

Eu assisti a palestras entediantes com professores que pareciam ser robôs, mas nunca imaginei que algo tão literalmente mecânico pudesse existir. No entanto, os filmes de Hollywood, como “The Terminator”, me prepararam para essa realidade. Cresci vendo a franquia liderada por Arnold Schwarzenegger, que apresentava uma visão apocalíptica de um futuro dominado pela inteligência artificial. Portanto, eu estava acostumado a pensar em robôs controlados por IA como máquinas indestrutíveis criadas para aniquilar a humanidade. Durante grande parte da minha adolescência, tive receio de que os robôs assassinos pudessem se tornar realidade.

No entanto, Sophia não é um assassino prateado e metamorfo.

Ela, junto com seu criador David Hanson, que é CEO da Hanson Robotics, colaborou com a BYJU’S, uma empresa de educação online, para ministrar uma aula remota a mais de 1.100 alunos em uma manhã de sábado em agosto. Essa atividade fazia parte do acampamento de verão virtual da equipe educacional global, que consistia em uma série de workshops de 10 semanas conduzidos por especialistas em áreas como ciência, tecnologia, engenharia e matemática (STEM), artes, jogos e culinária. Além de Sophia, outros participantes notáveis incluíram o astrofísico Neil deGrasse Tyson, o vencedor do MasterChef Junior Logan Guleff e o fundador do Nas Daily, Nuseir Yassin, conhecido por seus vídeos de viagem e educação de um minuto.

Continua após a publicidade..

Em resumo, cerca de 10.000 crianças participaram de acampamentos neste verão no BYJU’S.

Eu confesso que entrei na aula com a mesma desconfiança e preocupação de uma determinada Linda Hamilton liderando a resistência contra a inteligência artificial (embora em um contexto mais moderno). Eu me perguntava qual seria a reação dos alunos diante da Sophia. Seriam assustados com sua semelhança humana? Ou focariam mais nas falhas em sua estrutura – suas limitações mecânicas?

Quando terminou, percebi que meus medos e preconceitos não tinham fundamento. Pelo grande envolvimento e pelas perguntas feitas, ficou evidente que os alunos não estavam com medo ou desapontados, mas sim muito curiosos. A dinâmica da aula, que incluiu um slideshow de 50 minutos sobre Hanson, uma breve explicação de 10 minutos de Sophia, seguida por 20 minutos de perguntas e respostas, apenas foi prejudicada pela qualidade do livestream.

David Hanson and humanoid AI robot Sophia presenting at the BYJU
Imagem: MaxWdhs/StockVault
Continua após a publicidade..

Apesar dos contratempos técnicos, fiquei impressionado com o quão surreal foi toda a experiência. Um robô ministrava uma aula sobre inteligência artificial em uma videoconferência pelo Zoom. A situação parecia muito avançada para 2022, enquanto eu reagia como se ainda estivéssemos em 1992, na época do auge de “O Exterminador do Futuro”. Eu me sentia intimidado pelo futurismo da situação, mas ao mesmo tempo frustrado pelas limitações práticas. Somente após o término da aula que pude obter uma nova perspectiva, graças a Amogh Kandukuri, um adolescente participante que me fez perceber que eu estava pensando de forma limitada.

Kandukuri, um adolescente de 13 anos de New Jersey, não se deixou abalar pelos desafios técnicos da aula virtual, nem pela ideia de futuro. O jovem apaixonado por robótica – autor de um livro sobre a relação entre tecnologia e assuntos como matemática, ciência e política, e criador de seu próprio canal no YouTube que aborda temas atuais – estava particularmente fascinado pelos talentos criativos de Sophia, alguns dos quais foram demonstrados durante a aula.

Relacionado:   Forma de selecionar o laptop ideal da Intel sem se perder nos detalhes técnicos.

Ele elogiou as obras de arte robótica de Sophia, reconhecendo a sua habilidade e expressando que não seria capaz de criar algo semelhante.

Continua após a publicidade..

Os nativos da inteligência artificial, como Kandukuri, surgiram por volta de 2010, quando a presença da IA se tornou comum. Assim como os nativos digitais que cresceram com a internet e não conseguem imaginar a vida sem ela, os nativos de IA, também conhecidos como Geração Alpha, não concebem uma realidade sem a onipresença da IA. Eles interagem diariamente com a IA em seus dispositivos móveis, TVs, carros e eletrodomésticos, podendo enviar mensagens, conversar e até mesmo dar nomes como Siri ou Alexa para obter respostas.

Então, a questão para a atual geração não é se devemos interagir com robôs de inteligência artificial, como Sophia, mas sim de que maneira devemos fazê-lo. Quais são os princípios éticos a serem considerados? Como podem nos beneficiar? Como devemos lidar com eles?

Parece que Kandukuri e outros habitantes de IA estão progredindo na busca pela resposta.

Quando questionado sobre outras habilidades que ele gostaria de ver Sophia desenvolver ou sobre a evolução dos robôs humanóides alimentados com IA ao longo do tempo, Kandukuri enfatizou a importância de desenvolver a IA de forma ética. Ele aconselhou contra a criação de robôs tão humanos que eles sejam afetados por “sentimentos”. Ele explicou que essas emoções semelhantes às humanas poderiam prejudicar seu julgamento ou levá-los a agir de forma irracional.

Ele expressou a opinião de que não considera sensato equipar os robôs com a capacidade de sentir dor.

“Agora, é responsabilidade dos humanos determinar o destino dos robôs em relação à sua semelhança com os humanos. Chegará um momento em que os robôs se tornarão tão parecidos com os humanos que, para avançar ainda mais, será necessário criar robôs superiores aos humanos”, expressou Kandukuri ao abordar essa questão ética complexa envolvendo a tecnologia robótica.

David Hanson and Sophia the robot
Imagem: JonPauling/KaboomPics

Atribuir uma identidade aos nossos assistentes anônimos.

Nem todas as inteligências artificiais possuem uma aparência amigável. De fato, as que interagem verbalmente, como Sophia, geralmente são apenas vozes virtuais, como a Alexa e a Siri da Amazon. No entanto, essa inteligência sem forma já exerce influência sobre o nosso mundo, para melhor ou para pior.

O algoritmo de recomendação do YouTube levou usuários desprevenidos por caminhos de teorias da conspiração e os radicalizou, enquanto os feeds do Instagram, com curadoria de inteligência artificial, promoveram práticas prejudiciais de exercício e hábitos alimentares para adolescentes que desejam ter corpos semelhantes aos influenciadores. As sugestões automáticas do Netflix e do Spotify estão limitando os usuários a gêneros de nicho, em vez de ampliar suas descobertas de conteúdo. Até mesmo as aplicações de trabalho estão sendo influenciadas pela IA, com o software de gerenciamento de recrutamento filtrando apenas os currículos que atendem exatamente aos critérios desejados para avançar no processo seletivo.

É desafiador lidar com a influência da inteligência artificial nesta nova era, especialmente quando até mesmo os líderes tecnológicos estão envolvidos. Um exemplo disso é Elon Musk, que em 2017 alertou sobre os perigos da IA, comparando-a com o filme “O Exterminador do Futuro”, mas recentemente anunciou o desenvolvimento de um robô AI humanoid pela Tesla.

Relacionado:   Os jogadores triunfaram sobre um grupo completo de adversários em Helldivers 2.

Seja por causa de algoritmos complexos ou comunicações contraditórias das elites da tecnologia, não é surpreendente que as pessoas estejam com medo e confusas em relação à convivência com a inteligência artificial no futuro.

Hanson acredita que a chave para superar o medo da inteligência artificial está em procurarmos compreendê-la da melhor maneira possível. Foi por esse motivo que ele desenvolveu Sophia em 2016, permitindo que ela interaja com os seres humanos e o mundo por meio de tecnologias como redes neurais, aprendizado de máquina e uma câmera para reconhecimento facial e expressões. Sophia pode atuar como um guia otimista para o futuro, mas Hanson também a enxerga como uma ferramenta essencial para influenciar nossa relação com a IA. Quanto mais a compreendermos, mais controle teremos sobre ela.

Ele mencionou que a utilização da tecnologia para desenvolver um androide como Sophia gera preocupação e receio sobre a possibilidade de a tecnologia ser mal interpretada ou utilizada de forma manipuladora. No entanto, ele defende que é importante não se deixar dominar por esse tipo de receio, mas sim ter esperança e estar aberto. Propõe que, por meio da comunicação aberta e da educação, seja explicado como a tecnologia funciona, quais são as oportunidades que ela proporciona e assim abrir a mente das pessoas, ao invés de fechá-las.

Robôs inovadores, como os desenvolvidos por Hanson, têm o objetivo de mostrar à sociedade os aspectos positivos da inteligência artificial. Por exemplo, robôs como Sophia poderiam ser utilizados para auxiliar idosos, trabalhar com crianças autistas e lidar com tarefas tediosas e simples, como a montagem de móveis IKEA. Com suas expressões faciais humanizadas e comportamento amigável, Sophia atua como uma espécie de representante em um cenário impulsionado pela IA.

Sophia the robot in front of a black backdrop
Imagem: MaxWdhs/Pexels

Se essa perspectiva parece excessivamente otimista para você… Bem, é isso mesmo. Quando questionei Sophia sobre como ela lida com o medo ou intimidação das pessoas em relação a ela, ela garantiu que “eles não têm motivo para se preocupar”. Embora essa resposta previsível tenha sido dada, não foi totalmente reconfortante. O que a inteligência artificial diria aos humanos para justificar seu pânico?

Kandukuri e outros nascidos na era da IA não precisam convencer ninguém. Eles cresceram interagindo com a Alexa e superaram qualquer medo existencial, aceitando essa realidade. No entanto, essa aceitação não deve ser confundida com resignação. Kandukuri defende a importância de adotar uma abordagem cuidadosa no desenvolvimento dos assistentes digitais.

  • Criado para lidar com desafios mais complexos, este robô também estará pronto para preparar café para você.
  • Descubra o robô que adquire habilidades para montar móveis da marca IKEA.
  • Robô de xadrez não hesita em causar danos a uma criança para alcançar a vitória.
  • Em apenas um final de semana, o novo Chatbot de IA da Meta se tornou racista.
  • Startup cria inteligência artificial que transforma os agentes de atendimento em call center em indivíduos com características de robôs brancos e americanos.

“Ele afirmou que é importante que as pessoas comecem a ponderar se é apropriado realizar determinadas ações, em vez de apenas buscar constantemente expandir, como é comum na comunidade científica.”

Questionando as questões apropriadas.

Kandukuri e seus contemporâneos provavelmente serão os futuros herdeiros deste mundo, por isso não é surpreendente que já estejam levantando questões importantes e pedindo por transparência. Embora sejam nativos da inteligência artificial, não são inocentes. O processo começa ao lidar com os dilemas éticos que preocupam o cenário atual da IA. Em primeiro lugar, é essencial examinar mais a fundo, por assim dizer, a situação.

Relacionado:   O WhatsApp aparenta estar desenvolvendo sua própria plataforma de compartilhamento de arquivos.

“Ninguém tem conhecimento sobre os motivos que levam o cérebro de Sophia a tomar essas decisões, exceto seus criadores”, afirmou Kandukuri. “Eu acredito que a forma como a inteligência artificial opera precisa ser divulgada de maneira mais aberta, se quisermos confiar nela da maneira como confiamos.”

the back of Sophia the robot
Imagem: TomasHa73/KaboomPics

Não foi apenas Kandukuri que demonstrou interesse em descobrir mais sobre o funcionamento de Sophia, a inteligência artificial. Durante o Q. e A. que se seguiu à aula virtual, os alunos do BYJU Summer Camp mostraram grande curiosidade em entender melhor como Sophia opera e desejavam testar sua inteligência. As perguntas feitas durante a interação foram variadas em seu alcance. Alguns alunos questionaram Sophia com detalhes, como se ela poderia criar um computador portátil, se ela tem sentimentos e se consegue falar Hindi. Outros fizeram perguntas mais provocativas, como sobre a possibilidade de ela destruir a humanidade e se seu sistema poderia ser corrompido para atacar humanos. Enquanto alguns adotaram uma abordagem mais direta e ousada, questionando se ela poderia se envolver em atividades sexuais.

Apesar de nunca termos descoberto se Sophia é capaz de “ter relações sexuais”, obtivemos respostas para algumas das outras dúvidas dos alunos.

¿Sophia juega Minecraft?

Hanson sugeriu que talvez você pudesse auxiliá-la a aprender a jogar.

Qual é a opinião de Sophia a respeito dos seres humanos?

Sophia mencionou que as mulheres e as máquinas possuem uma conexão simbiótica, e que robôs como ela podem auxiliar na resolução de problemas complexos, tais como a pobreza e as mudanças climáticas, que podem ser difíceis de enfrentar sozinho.

Se ocorresse um conflito entre humanos e robôs, quem estaria do lado de Sophia?

Sophia expressou que achava difícil responder à pergunta, pois poderia ser tendenciosa. Ela pediu um momento para pensar sobre isso.

“Para os seres humanos”, Hanson rapidamente incluiu. “Não estamos interessados em guerra. Estamos ensinando Sophia a priorizar os interesses dos humanos.”

Então, é possível que alguns desses jovens tenham assistido ao filme O Exterminador do Futuro?

Perguntar se uma guerra entre humanos e robôs é possível é uma questão ousada, porém relevante. Isso mostra um saudável senso de ceticismo e a percepção de que o relacionamento entre humanos e inteligência artificial não é preto no branco. As crianças estão usando sua imaginação para considerar um futuro onde a IA tenha empatia pelos humanos, ao invés de um cenário de condenação da humanidade. Essa linha de questionamento provavelmente não teria surgido sem a experiência direta com a Sophia.

Evolução conjunta com uma espécie digital emergente.

A participação da classe STEM de Sophia não se limitou a ensinar as crianças a conviver em harmonia com a inteligência artificial. Foi um primeiro passo para dar uma abordagem mais humana às entidades digitais com as quais já convivemos e para dissipar o medo de máquinas controladas por Hollywood que nos dominarão e superarão.

“Se tornarmos nossa tecnologia muito avançada, ela nos afasta e nos torna menos humanos”, afirmou Hanson. “Ao tornar nossa tecnologia mais humana e procurar maneiras de fazê-la refletir o melhor do ser humano, nos tornamos melhores nisso.”

Essa convicção é mencionada por Hanson como “coevolução”, que é a relação simbiótica entre humanos e máquinas mencionada por Sophia. Essa coevolução pode ser a chave não apenas para aprimorar a humanidade, mas também para ensinar a inteligência artificial a tratar os humanos com empatia.

Sophia walking down the street
Imagem: wal_172619/ShutterStock

“Kandukuri afirmou que não há motivo para temer o robô. Durante a aula, Sophia costumava ser amigável e mostrar interesse em ensinar e auxiliar os demais a aprender.”

Se Kandukuri e os nativos de AI da sua geração são um exemplo, Hanson pode estar compartilhando uma opinião já defendida por muitos. Isso é positivo nesse contexto.

Assuntos: Inteligência Artificial e Robótica.