Continua após a publicidade..

De que maneira o eclipse solar de 2024 se distinguirá do anterior?

Apenas sete anos atrás, os americanos deixaram suas casas para ter a chance de presenciar um eclipse solar total, um evento astronômico considerado uma oportunidade única e especial.

Naquele período, talvez tenha sido mencionado que ele foi o pioneiro a cruzar os Estados Unidos de um lado ao outro em cem anos – o que de fato ocorreu. No entanto, recentemente, é possível que você tenha sido informado sobre a ocorrência de outro eclipse solar que cruzará a América do Norte em 8 de abril de 2024.

Qual é a situação?

Continua após a publicidade..

Pode ter certeza, aqueles que duvidam, o eclipse de 2024 não é uma falsa alarme. De acordo com Jenna Samra, uma física do Centro Harvard-Smithsonian para Astrofísica, a próxima ocorrência será única e distinta da de 2017. Será o último grande eclipse a cruzar o continente nos próximos 20 anos.

O eclipse solar total previsto para abril terá uma duração maior, poderá parecer mais escuro e a coroa solar ao redor da lua terá uma aparência ainda mais semelhante a uma coroa pontiaguda. Além disso, haverá uma maior quantidade de pessoas vivendo em áreas onde será seguro observar diretamente o eclipse sem óculos de proteção durante os minutos em que o sol estiver completamente bloqueado.

Segundo Samra Mashable, embora muitos considerem o eclipse como um evento único na vida, na realidade ocorre um eclipse solar a cada dois anos, sendo a raridade de vê-lo em um local específico da Terra a característica que os torna especiais.

The path of the total solar eclipse on April 8, 2024.
Imagem: GernotBra/ShutterStock
Continua após a publicidade..

Durante um eclipse solar total, a lua passa entre a Terra e o sol no espaço, fazendo com que o sol fique completamente oculto e o céu escureça como no crepúsculo.

Quando o sol está encoberto, as pessoas podem ter a oportunidade rara de contemplar a corona solar brilhando ao redor das extremidades da lua. A corona é a parte exterior da atmosfera do sol, geralmente ofuscada pela intensa luminosidade da sua superfície.

A previsão é de que a lua comece a projetar sua sombra na costa do Pacífico do México às 11:07 da manhã no horário do Pacífico, de acordo com a NASA. O caminho da sombra da lua, conhecido como “caminho de totalidade”, se estenderá do Texas até Maine, passando pelo sul de Ontário, no Canadá, e saindo na costa atlântica de Terra Nova às 5:16 da tarde no horário de Newfoundland. O restante do continente americano terá um eclipse parcial, onde a lua cobrirá apenas uma parte do sol.

Relacionado:   Os cientistas capturam uma imagem insignificante do corpo em decomposição desta estrela extinta.
Moon blocking part of the sun during an eclipse
Imagem: stephmcblack/iStock
Continua após a publicidade..

O sol, a lua e a Terra se alinham a cada um a três anos, resultando em um eclipse solar total. No entanto, a sombra da lua normalmente passa sobre áreas oceânicas e regiões remotas do planeta, conforme explicado por Kelly Korreck, especialista em heliofísica e gerente do programa da NASA para o eclipse de 2024.

Em determinado lugar, são necessários em média entre 400 e 1.000 anos para presenciar um eclipse solar novamente, conforme informado por Korreck ao Mashable. Isso significa que, embora seja um evento raro em um local específico, não é algo único para o planeta como um todo.

Existem exceções, como por exemplo a cidade de Carbondale, Illinois, que ficou na zona de totalidade durante o eclipse de agosto de 2017 e agora, coincidentemente, estará no trajeto da totalidade em abril.

Continua após a publicidade..

Table of Contents

O eclipse previsto para 2024 terá uma duração prolongada.

Durante o eclipse de 2017, a largura da sombra da lua na Terra foi de 71 milhas, resultando em um período de cobertura total do sol que durou dois minutos e 41 segundos. No entanto, o eclipse de 2024 será ainda mais amplo, abrangendo 122 milhas e proporcionando uma duração de até quatro minutos e 27 segundos, de acordo com Korreck.

A dimensão da sombra varia de acordo com a maneira como a lua orbita a Terra e como a Terra orbita o sol, ambas em formas ligeiramente ovais. O tamanho aparente do sol também sofre uma mudança sutil – o que é significativo para a ocorrência de um eclipse, conforme explicado por Michael Zeiler, um cartógrafo especializado em eclipses e co-fundador do GreatAmericanEclipse.com, um site dedicado a eclipses solares em diversas partes do mundo.

“Segundo Mashable, a duração máxima teórica de um eclipse solar total, que pode chegar a cerca de sete minutos e 30 segundos, é determinada pela geometria, em que o tamanho aparente do sol para nós é relativamente pequeno e o da lua é relativamente grande.”

Relacionado:   O Skype possibilita a identificação de chamadas e localização de emergência no 911 nos EUA.
Moon passing over sun during total solar eclipse
Imagem: astrovariable/StockVault

O eclipse de 2024 pode aparentar ser mais sombrio.

Ao isolar as condições atmosféricas, o caminho mais aberto para a totalidade é o motivo pelo qual certos espectadores do eclipse solar poderiam desfrutar de um céu mais escuro, conforme explicado por Zeiler, o que possibilita visualizar mais estrelas em contraste com o fundo.

Se alguém estava no meio do caminho mais estreito em 2017 e depois se moveu para o meio do caminho mais amplo em abril de 2024, o céu poderia parecer mais escuro na segunda vez. A duração do eclipse e a intensidade da escuridão estão ligadas.

“Se estiveres no centro, significa que estás distante da luz solar. É isso que ele enfatiza – a distância em relação à extremidade da sombra”, explicou ele.

A coroa terá um aspecto mais pontiagudo em 2024.

A corona, o brilho branco suave que surge quando a lua cobre o sol, tem origem na palavra latina “crown”. Devido à posição do sol em seu ciclo solar de 11 anos, os espectadores de um eclipse têm maior probabilidade de testemunhar uma corona com proeminências pontiagudas, condizentes com o significado do seu nome.

“A configuração da coroa solar que você observa durante um eclipse ficará gravada na sua memória”, afirmou Zeiler, que presenciou 11 eclipses solares em diferentes partes do mundo. “Ao olhar para uma foto, você logo reconhecerá e dirá, ‘Ah sim, este é o eclipse de 2024.'”

O ciclo solar, que é resultado de variações nos campos magnéticos do sol, influencia a atividade observada na sua superfície. Nos estágios inicial e final do ciclo, essa atividade é mais tranquila. Entretanto, a atividade solar cresce, atingindo seu pico no meio do ciclo, o que provoca erupções solares gigantescas.

  • Um cometa poderia aparecer inesperadamente durante o eclipse solar. Saiba onde observar.
  • Quando ocorrer o eclipse solar, será possível observar esses planetas brilhantes.
  • O eclipse solar total é uma sorte incrível e surpreendente. Aqui está o motivo.
  • O astronauta da NASA presenciou um eclipse do espaço que não era de origem natural.
  • Essa famosa meme de Trump pode proteger os olhos durante o eclipse solar.
Relacionado:   O tão aguardado eclipse solar está próximo. Recebemos sugestões de um especialista sobre como observá-lo.

O ciclo solar estará quase no auge durante o eclipse de 2024, enquanto em 2017 o sol estava próximo do mínimo solar, resultando em uma coroa solar mais organizada.

A solar prominence launching from the solar surface
Imagem:
chsyys/iStock

“A corona parece ter uma aparência mais intensa, eu diria que é ‘espinhosa'”, comentou Samra. Ele explicou que isso se deve à configuração do campo magnético, onde os picos observados são, na verdade, áreas de plasma, que é gás quente e ionizado. Além disso, a corona segue as linhas do campo magnético.

Os astrônomos e entusiastas do eclipse estão entusiasmados com a oportunidade de presenciar espetáculos impressionantes na corona, como as proeminências solares em forma de tendões rosados que se estendem na corona. Algumas dessas proeminências se assemelham a brilhantes lagos de fogo ao redor da borda da lua.

O destaque poderia ser a observação de uma ejeção de massa coronal, que é um plasma expelido da coroa solar e pode se assemelhar a uma bolha. Pequenas ejeções de massa coronal foram observadas durante os últimos eclipses totais, mas nenhuma grande erupção foi registrada. Alguns especialistas acreditam que o eclipse que passou pela Espanha em 1860 teve uma ejeção de massa coronal significativa. Pinturas e desenhos desse evento mostram uma característica grande e semelhante a um gancho que se projetava da coroa solar.

Cherri Haghighit viewing the start of the 2017 eclipse in LA.
Imagem: TomasHa73/PixaBay

Um maior número de indivíduos reside na rota do eclipse de 2024.

Pessoas motivadas vão se deslocar para a região onde ocorrerá um eclipse total, mas muitos dos espectadores serão apenas aqueles que residem na área de totalidade por acaso. Em 2017, mais de 12 milhões de pessoas estavam dentro dessa zona.

No próximo ano, em 2024, o percurso seguirá em direção à Costa Leste, que é mais populosa, afetando mais de 31 milhões de residentes, o que representa mais do que o dobro de pessoas.

Alguns especialistas afirmam que, devido ao eclipse ser visível nos quintais de muitos cidadãos, será o evento astronômico mais observado na história americana, embora não seja necessariamente uma experiência única na vida de cada pessoa.

“Se você tiver a sorte de que isso não seja algo único, apenas aproveite”, afirmou Samra. “Você nunca se cansará de ver isso – de jeito nenhum. Sempre vai desejar ter mais tempo.”

Este relato foi primeiramente divulgado em 27 de janeiro de 2024 e sofreu uma atualização.